Pão de Microondas - Receitinhas Dukan



Pão :

1 ovo
1 colheres de farelo de trigo
2 colheres de farelo de aveia
3 colheres de iogurte desnatado
1 colheres de fermento em pó

Sal e tempero.
Misturar tudo e levar ao microondas por 3 minutos.
Costumo usar um pote de uns 12cm de diâmetro , assim o pão fica mais gordinho e da pra cortar no meio.

Estamos totalmente errados sobre o que está acontecendo dentro do manto da Terra.


Exames sísmicos mostram que o manto da ‪#‎Terra‬ guarda surpresas, que podem ajudar a explicar a formação de depósitos de ‪#‎petróleo‬ e padrões climáticos de longo prazo
O interior da Terra todo mundo sabe como é, ou pelo menos sabe como a geologia o entende. Logo depois da crosta, tem o manto superior, o manto, o núcleo externo e o núcleo propriamente dito.
Uma das partes interessantes do interior do planeta é o manto e o manto superior, que são compostos de camadas de rocha fundida, o magma, em diversos estágios de plasticidade.
No manto se movimentam ondas de “correntes convectivas”. Agora, uma compilação global do movimento dessas ondas apontou que elas se movimentam 10 vezes mais rápido do que se pensava previamente.
A descoberta da rapidez destas ondas pode explicar tudo, de como as mudanças na superfície da Terra ao longo do tempo levam à formação de depósitos de combustível, até as mudanças climáticas de longo prazo.

------------------
“Em termos geológicos, a superfície da Terra sobe e desce como um ioiô”
------------------

“Em termos geológicos, a superfície da Terra sobe e desce como um ioiô”, conta o geólogo Mark Hoggart, da ‪#‎Universidade‬ de Cambridge, autor do trabalho que foi publicado na Nature Geoscience.

Mistério nas profundezas

O interior do nosso planeta ainda é um mistério para a ‪#‎ciência‬. O mais fundo que já escavamos é pouco mais de 12 quilômetros (Poço Superprofundo de Kola), mal arranhando a crosta terrestre (5 a 70 km em alguns lugares).
Para descobrir a estrutura interna, os geólogos têm que se basear em medições indiretas e em modelos geofísicos. O manto, pelo que sabemos, tem cerca de 3.000 km de espessura, e é composto de rocha comprimida e mole. Qualquer atividade convectiva nesta camada tem um impacto tremendo na superfície do planeta.
“Além das tectônicas de placas, o interior do planeta que deveria ser bem tedioso está sendo forçado para cima e para baixo pela convecção do manto. Já sabíamos que isso ocorria, mas nos últimos 30 anos não tínhamos os dados para medir este movimento”, conta Hoggard.
Esta nossa ignorância está mudando, graças a perfis de reflexão sísmica de alta resolução criadas pela indústria petroleira. A técnica de perfis de reflexão sísmica é usada pelos geólogos para examinar o interior do planeta, medindo a reflexão e refração das ondas sísmicas, à medida que viajam pelo planeta. Este método pode revelar mudanças em pequena escala na espessura da crosta, o que por sua vez está relacionado à convecção do manto.
A análise de mais de 2.000 medidas de reflexão sísmica feitas ao longo dos oceanos permitiu a Hoggard a construção do primeiro banco de dados global da convecção do manto.Nestes dados, os cientistas ficaram surpresos de descobrir que a espessura da crosta no fundo dos oceanos muda com frequência, indicando que a convecção do manto está ocorrendo com maior frequência do que se esperava.

Influências globais


Estes exames podem explicar algumas coisas mais perto da crosta, como a formação de reservas de petróleo, que dependem do soterramento e compressão de sedimentos que estejam cheios de matéria orgânica em decomposição.
O próprio ‪#‎clima‬ do planeta pode ser impactado pelo movimento do manto, ao afetar os padrões de circulação dos oceanos em grande escala. A Corrente do Golfo, por exemplo, carrega água morna do Golfo do México até a costa da Europa Ocidental, antes de esfriar e mergulhar perto da Islândia.“Existem canais estreitos em torno da Islândia que permitem que a água ‘mergulhe’, se você elevá-los ou afundá-los, vai acabar afetando a circulação dos oceanos”, explica Hoggard.
Em última instância, a convecção do manto é responsável pela formação de sistemas geotérmicos, como Yellowstone, e arquipélagos como o Havaí, que surgem no meio das placas tectônicas.
“Esta é uma mudança no ponto de vista. Muitos geólogos vão examinar lugares longe das bordas das placas e pensar que são bem estáveis. O que mostramos é que estas regiões que são geralmente ignoradas são provavelmente bastante ativas”.
Fonte: Gizmodo [http://zip.net/bgtgBf]





Provas da Uniasselvi - História do Brasil Imperial


Pra dar aquela forcinha na hora de estudar 📖 ...uma ajudinha :D ✌️  👌  😜

Avaliação Final (Discursiva) - Individual e sem Consulta
Educação Inclusiva 


QUESTÃO: 1. A instituição do IHGB em 1838, seguida da maioridade de D. Pedro II em 1840, acabou por concentrar uma discussão interessante sobre o passado do país. Neste sentido, discorra sobre as prerrogativas deste instituto e sua participação na construção do passado do Brasil.

RESPOSTA ESPERADA:
Uma das questões que passariam a habitar a agenda desse instituto versava sobre o significado de ser brasileiro, ou se quem nascesse no novo país deveria ser chamado de brasiliano, brasileiro ou brasiliense. É claro que essas prerrogativas de nascimento não incluíam negros e seus descendentes.
O país passava, portanto, pela construção de uma comunidade imaginada, e precisava afirmar a sua unidade como civilização branca e europeia. Nesse sentido é que o IHGB tratou de patrocinar e apoiar sobremaneira pesquisas de caráter arqueológico, com vistas a explicar e fornecer subsídios para a questão da identidade e de um projeto de futuro.

QUESTÃO: 2. Discorra sobre o processo de abolição da escravatura.
RESPOSTA ESPERADA:
A escravidão foi abolida no Brasil através de uma lei de 1888, que ficou conhecida como Lei Áurea. No entanto, este ato não deve ser entendido como o ponto principal da abolição da escravatura. O abolicionismo é uma corrente de opinião importante no Brasil do século XIX, e suas lutas foram fundamentais para acabar com a escravidão, num processo lento, que foi feito de acordo com os interesses dos proprietários, através de uma série de leis anteriores, que paulatinamente puseram fim a um dos principais pilares da economia do país.

QUESTÃO: 3. Assim como ocorreu em Minas Gerais, na Bahia um movimento popular eclodiu em 1798 demonstrando sua insatisfação em relação ao domínio português. Neste sentido, comente sobre os motivos que ocasionaram tal conflito.

RESPOSTA ESPERADA:
Espera-se que o acadêmico discorra sobre pelo menos uma das seguintes referências:

* Dificuldade econômica, inclusive pela transferência da capital para o Rio de Janeiro.
* A Bahia permaneceria com uma população miserável, sobrecarregada de tributos, que contestava com frequência a exploração da metrópole.
* Influência do sucesso da independência dos Estados Unidos da América (1776) e das realizações da Revolução Francesa (1789).
* Reivindicavam a proclamação de um governo republicano, democrático, livre de Portugal, o livre comércio (contra o mercantilismo), o aumento do soldo e a abolição da escravidão.

QUESTÃO: 1. Os eventos característicos que marcaram a resistência ao colonialismo português tiveram inúmeros focos. Alguns eventos, como conjunturas políticas, sociais e econômicas, foram relevantes no cenário antecedente ao que culminou na separação política do Brasil em relação a Portugal. A partir desta afirmativa, escreva uma redação, tendo como tema: MOVIMENTOS DE RESISTÊNCIA AO COLONIALISMO PORTUGUÊS.

RESPOSTA ESPERADA:
A Conjuração Mineira foi motivada pela decadência da produção de minérios na segunda metade do século XVIII e pelas dificuldades de produtores brasileiros em pagar os tributos cobrados à colônia pelo reino. A exacerbação da derrama, como instituição violenta para obrigar a população da capitania das Minas (atual Estado de Minas Gerais) a entregar parte de seus bens para pagar as dívidas, ocasionou o levante de muitas partes contra a metrópole. Na Bahia eclodiu um movimento nitidamente popular, com a participação de artesãos, escravos, ex-escravos, burgueses em geral, soldados e alfaiates, padres, médicos e advogados. Um dos motivos era a dificuldade econômica acarretada a Salvador devido à transferência da capital para o Rio de Janeiro, em 1763. O sucesso da independência dos Estados Unidos da América (1776) e as realizações da Revolução Francesa (1789) acabaram por ser divulgadas na Bahia por meio de intelectuais, burgueses e profissionais liberais, empolgando parcela da população soteropolitana. Os grupos de revoltosos começaram a se encontrar em reuniões secretas, para organizar a conspiração em comum acordo com diversas camadas da população. As propostas eram a proclamação de um governo republicano, democrático, livre de Portugal, o livre comércio (contra o mercantilismo), o aumento do soldo e a abolição da escravidão. Por outro lado, a Revolução Pernambucana, ocorrida mais tarde, em 1817, vinha na esteira de uma série de revoltas daquela capitania contra o regime colonial, desde a Insurreição Pernambucana contra os holandeses até a Guerra dos Mascates entre Olinda e Recife (1710-11). O motivo agora era o tradicional aumento de impostos causado pela transferência da corte portuguesa para o Brasil em 1808. O movimento angariou adeptos em Alagoas, Paraíba e Rio Grande do Norte.

QUESTÃO:
1. A independência dos países americanos representou formas distintas do ponto de vista da organização política dos estados nacionais. Enquanto os países da América Espanhola se desmembraram em diversas nações republicanas, a América Portuguesa se transformou em apenas uma única nação monárquica. Neste sentido, a independência brasileira é um típico exemplo de centralização política. Neste sentido, escreva uma redação com o tema: A CENTRALIZAÇÃO POLÍTICA OCORRIDA NO PRIMEIRO REINADO DO IMPÉRIO DO BRASIL.

RESPOSTA ESPERADA:
A centralização política vivida no Brasil Imperial está relacionada a um processo diferente de independência se comparado aos demais países da América Latina. O herdeiro do trono português foi o principal articulador da libertação brasileira do domínio lusitano. Além disto, a constituição de 1824, outorgada por D. Pedro II, apontava a possibilidade de o imperador ter poderes exclusivos, ao estar presente na carta magna nacional o dispositivo legal do poder moderador. A centralização política também se relaciona à figura simbólica do imperador.

Linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...