Harry Potter e as Relíquias da Morte - Filme





O poder de Voldemort está aumentando cada dia mais. Ele agora tem o controle sobre o Ministério da Magia e de Hogwarts. Harry, Rony e Hermione decidem terminar o trabalho de Dumbledore e encontrar o resto das Horcruxes para derrotar o Lorde das Trevas. Mas a esperança continua pouca para eles, então tudo o que eles fazem tem que sair como planejado

Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1


“Tudo começa e termina com J. K. Rowling, não estaríamos aqui sem ela”, afirma David Heyman, produtor de todos os filmes de “Harry Potter”, baseados nos livros da escritora. “Sinto-me privilegiado em ter trabalhado em ‘Harry Potter’ por mais de uma década. Tem sido inspirador, desafiador e muito divertido”.
O cineasta David Yates completa: “Estou particularmente entusiasmado e orgulhoso de ser o diretor que tem a oportunidade de levar o clímax dessa excelente história para o público. Estou ansioso para isso”.


Quebrando a tradição da série, o sétimo e último livro de J. K. Rowling, “Harry Potter e as Relíquias da Morte”, teve sua adaptação dividida em dois longas-metragens. “Quando Steve Kloves começou a trabalhar no roteiro, ficou claro que precisaríamos omitir coisas demais para fazer um único filme. Mas havia detalhes que eram essenciais para a resolução da série”, explica Heyman.
Daniel Radcliffe, que interpreta o papel-título de Harry Potter, comenta: “A complexidade do enredo que J. K. Rowling havia mapeado desde o início é uma façanha fantástica de narração. Ele tem reviravoltas, mistério e romance, comédia e ação – todos os elementos brilhantes aos quais as pessoas reagiram ao longo dos anos. Dividir o último capítulo era o único meio de contar a história de forma completa e satisfatória”.
Dirigindo seu terceiro longa-metragem de “Harry Potter”, David Yates diz que a Parte 1 de “Harry Potter e as Relíquias da Morte” também rompe a tradição ao tirar os personagens centrais do ambiente conhecido de Hogwarts. É, na verdade, o primeiro filme da franquia em que a emblemática Escola de Magia e Bruxaria nunca é vista.
“Acho que é uma das coisas mais intrigantes da Parte 1”, afirma o diretor. “Estamos distantes do ambiente mágico de Hogwarts, que parecia seguro mesmo quando os personagens corriam grande risco. De repente, Harry, Rony e Hermione estão tentando sobreviver no mundo cruel, e há muitos perigos. Eles se sentem isolados, sozinhos e muito vulneráveis. Isso torna a aventura muito mais tensa e adulta, o que realmente me agradou, e também a Dan, Rupert e Emma”.
Radcliffe afirma: “Acho que isso dá ao filme um tom mais adulto, porque é mais difícil nos ver como colegiais quando não estamos mais na escola”.
Reprisando o papel de Rony Weasley, Rupert Grint comenta: “Fora da segurança de Hogwarts e da proteção de seus pais e professores, tudo pode acontecer. Eles podem ser atacados a qualquer momento, o que dá ao filme uma energia diferente”.
“Harry, Hermione e Rony não têm mais casa”, observa Emma Watson, que retorna ao papel de Hermione Granger. “Eles estão sempre mudando de lugar e, ainda pior, estão sendo perseguidos, por isso não sabem em quem confiar. Os riscos são grandes, então eles precisam ser corajosos”.
Na verdade, nunca os riscos foram tão grandes, já que o destino do mundo dos bruxos e do mundo dos trouxas está nas mãos desses jovens. Tendo aprendido o segredo do poder e da imortalidade de Voldemort, Harry está em uma missão para rastrear as Horcruxes: itens nos quais o Lorde das Trevas escondeu pedaços de sua própria alma. Se restar ao menos um, Voldemort nunca poderá ser derrotado. Duas das Horcruxes já tinham sido destruídas: o diário de Tom Riddle e o anel que pertenceu a Marvolo Gaunt, o avô materno de Riddle. Harry e Dumbledore acreditavam que haviam localizado a terceira Horcrux, o medalhão de Salazar Sonserina, mas descobriu-se que ele era falso e que o verdadeiro havia sido roubado por alguém com as iniciais R.A.B.
O problema é que as Horcruxes podem estar praticamente em qualquer lugar ou em qualquer coisa. “Acho que, no início, Harry não compreende aquilo a que precisa dar continuidade”, opina Barron. “Ele só sabe que tem um trabalho a fazer e que precisa continuá-lo. E Rony e Hermione nunca o abandonariam, assim isso se torna uma grande jornada para os três, física e emocionalmente falando”.
O rastro das Horcruxes tem também consequências inesperadas para Harry, pois revela algumas verdades dolorosas sobre o passado de Dumbledore. A revelação de que seu amado mentor e professor, em certa ocasião, tinha mais em comum com Voldemort do que Harry jamais imaginou faz com que o jovem mago comece a duvidar de sua própria fé no homem que ele respeitava tanto.
“Quanto mais Harry descobre sobre Dumbledore, coisas de que não sabia ou que ele sente que foram escondidas dele, mais sua confiança se desfaz”, relata Radcliffe.
“Para Harry, isso se torna uma crise de confiança”, confirma Yates. “O que dificulta as coisas duplamente para ele é que Dumbledore lhe deu essa missão sem plano claro — na verdade sem nenhuma ideia — de como cumpri-la, o que está colocando seus amigos em risco. Isso leva a um verdadeiro teste do relacionamento deles, o que é outro elemento interessante da história”.
“Sempre acreditei que, com toda a magia, ação e aventura das histórias de Harry Potter, no fundo o importante são os personagens”, enfatiza Heyman. “Neste filme, seus relacionamentos são mais complexos do que nunca, e Dan, Rupert e Emma estão melhores do que jamais estiveram na exploração profunda dessas relações”.
Yates concorda, acrescentando que Radcliffe, Grint e Watson tiveram um forte senso de responsabilidade com os papéis que encarnaram por quase metade de suas vidas. “Eles sabiam intuitivamente como os personagens responderiam a certas coisas, frequentemente bem melhor que nós. Adoro isso neles. Como diretor, foi maravilhoso me envolver com eles, porque houve momentos em que eu não estava apenas falando com o ator, estava na verdade falando com o personagem”.
Assim como Harry Potter, Lorde Voldemort também tem uma missão: acabar com a vida do “Menino que Sobreviveu”. Yates analisa: “Voldemort está no auge do poder absoluto. Ele esteve escondido nas sombras, aguardando o momento de voltar e impor sua vontade ao resto do mundo. Tudo mais em seu plano se encaixou, ele só precisa lidar com um pequeno detalhe. Voldemort não compreende como essa ‘criança’ se tornou seu adversário mais forte, mas sabe que precisa ser aquele que matará Harry Potter. Em primeiro lugar, ele é o predestinado e, depois, há a pura satisfação de fazer isso depois de ter sido derrotado tantas vezes. É mais do que pessoal a esta altura”.
Ralph Fiennes, que está praticamente irreconhecível no papel de Lorde Voldemort, diz: “Ele é motivado por uma raiva profunda. A única coisa que o atiça é poder e mais poder, a capacidade de controlar, manipular e destruir pessoas. É seu vício”.
Yates comenta: “Ralph é muito assustador quando interpreta Voldemort. Ele tem a capacidade de acessar lugares sombrios da mente como ator, você consegue sentir a temperatura no ambiente cair enquanto ele entra no personagem”.
Os Comensais da Morte tratam o Lorde das Trevas com um misto de reverência e medo, sabendo que não é preciso haver muita provocação para que ele se volte contra seus seguidores mais fiéis. Se eles precisassem de um lembrete dessa ameaça, ele estaria lá, sempre ao lado de Voldemort — a única criatura viva que Voldemort trata com verdadeira ternura —, a grande cobra chamada Nagini.
Voldemort convocou seus Comensais da Morte de elite à mansão dos Malfoy para planejar quando, onde e como encurralar Harry Potter. O último a chegar é Severo Snape, interpretado por Alan Rickman. “Toda vez que observo Alan como Snape, fico impressionado com a complexidade e todos os matizes de sua atuação”, elogia Heyman. “Ele consegue transmitir o humor e o veneno no mesmo fôlego. E nesse filme você começa a sentir o tremendo fardo do segredo que Snape está carregando”.
Snape informa aos que estão reunidos quando Harry deixará sua casa na rua dos Alfeneiros, alertando-os de que ele “receberá toda proteção” da Ordem da Fênix. Todavia, Fiennes afirma: “Voldemort acredita que finalmente derrotará Harry Potter. Ele está desfrutando de seu controle, como um imperador”.
Porém, Voldemort descobriu que não pode matar Harry Potter com sua própria varinha. Ele extraiu do fabricante de varinhas Olivaras (John Hurt) a informação de que sua varinha e a de Harry são “gêmeas”, possuem o mesmo núcleo. Em uma voz carregada de malícia ligeiramente velada, ele sugere que Lúcio Malfoy tenha a “honra” de desistir de sua varinha para Voldemort.
“As varinhas são uma parte importante da história em ‘As Relíquias da Morte’ — a lei das varinhas e como elas são pessoais para os bruxos”, especifica Yates. “As propriedades das varinhas tornam-nas quase como personagens. Ainda no primeiro livro, aprendemos com Olivaras que ‘a varinha escolhe o bruxo’; para eles, perder uma varinha pode ser como perder uma parte de si mesmo. Por isso, quando Voldemort toma a varinha de Lúcio Malfoy, é como se tomasse sua masculinidade, algo vital para sua autoestima”.
Quando encontramos Lúcio Malfoy em “Harry Potter e a Câmera Secreta”, ele era um bruxo presunçoso que não se dava ao trabalho de esconder seu desdém pela maioria das pessoas, que considerava inferiores, e que estava criando o filho, Draco, à sua imagem.
Mas ele retornou de um breve encarceramento em Azkaban uma sombra de quem costumava ser. Ele precisa agora suportar silenciosamente o fato de que foi substituído na cabeceira da mesa da família e sua própria casa foi confiscada por Voldemort e transformada em quartel-general.
Jason Isaacs, que novamente assume o papel de Lúcio Malfoy, diz que a perda de sua varinha pode ser apenas a punição mais recente a recair sobre Lúcio, mas é, de longe, a pior.
“Tomar a varinha de um bruxo é enfraquecê-lo completamente, e Voldemort não só a toma, mas retira a cabeça de cobra, um adorno vistoso e pessoal de família, e o atira sobre a mesa como se fosse lixo, o que humilha Lúcio na frente de todos os outros Comensais da Morte. Lúcio sempre foi um pavão de incrível vaidade e arrogância, sempre presumiu que ficaria ao lado de Voldemort como seu braço direito. Mas, após se enfraquecer na prisão, depois que Draco falhou em sua missão de matar Dumbledore e dessa humilhação pública, ele não faz ideia do que o futuro reserva para ele… se ele ainda tiver um futuro”.
Sentado ao lado do pai, Draco Malfoy está lidando com suas próprias desconfianças. Outrora um jovem e arrogante valentão da Sonserina, ele agora se confronta com a realidade crua de ser um Comensal da Morte.
Tom Felton, que interpreta Draco, comenta: “No último filme vimos que, apesar de desejar ser o protegido do pai, para ser o malvado ‘escolhido’, por assim dizer, Draco não tinha a menor chance. Ele está percebendo que esse não é o tipo de pessoa com que deseja se associar, mas não tem escolha quanto a isso. Não se engane, Draco não é um mocinho sob nenhum parâmetro. Mas ele certamente questiona o que está testemunhando, e sequer tem ideia do que fará ao final. Tivemos algumas oportunidades de explorar isso na história, o que foi muito interessante para mim como ator”.
A tia de Draco, Belatriz Lestrange, não tem esses remorsos. Retornando ao papel, Helena Bonham Carter declara que Belatriz está gloriosa como a discípula mais servil e sedenta de sangue de Voldemort. “Ela simplesmente adora a supremacia, a superioridade dele e particularmente o fato de não ter nariz. É tão sexy”, ela diz com uma risada. “Belatriz é uma fanática, para não dizer doida varrida. Ela não tem limites e está sempre em sua plenitude, por isso me tomou toda a energia. Interpretá-la pode ser bastante exaustivo, mas por causa disso é que é tão divertido”.
“Helena se divertiu com a personagem. Acho que é uma prova de seu talento que ela tenha feito com que amássemos Belatriz, mesmo que ela seja desagradável”, diz Barron.
Com Voldemort no controle, o perigo avança além de Harry Potter e chega a todos os envolvidos com ele e suas famílias. Como bruxos, os Weasley são capazes de lutar contra a magia, mas as famílias trouxas de Harry e Hermione estão especialmente vulneráveis.
Para salvar os pais, Hermione toma uma decisão muito difícil. Em uma cena apenas mencionada no livro, ela deixa a casa para trás, levando consigo as lembranças que seus pais tinham da filha única.
Emma Watson conta: “Hermione sabe que aliando-se a Harry ela está colocando os pais em perigo. A única forma de protegê-los é cortando relações com eles completamente, por isso ela remove as lembranças que eles têm dela, o que é trágico porque ela está perdendo o pai e a mãe para sempre. Fiquei muito encantado pela forma como Steve Kloves escreveu a cena. Foi comovente e também faz com que percebamos a magnitude do sacrifício que Hermione, e também Rony, estão fazendo pelo amigo Harry”.
Embora seja decididamente um sacrifício menor, Harry deve também dizer adeus à sua família trouxa: seu insuportável Tio Válter, a tia Petúnia e o primo Dudley. Enquanto os Dursley se dirigem para longe de sua casa vazia na rua dos Alfeneiros, Harry não tem muito tempo para lembrar da infância passada no armário debaixo das escadas.
Mas a trama também providencia a reunião e o reencontro de velhos personagens. E até um casamento: do filho mais velho dos Weasley, Gui, com a adorável Fleur Delacour. Um recém-chegado ao elenco, Domhnall Gleeson, que interpreta Gui, já tinha uma conexão familiar com a franquia, sendo filho de Brendan Gleeson. Clémence Poésy aparece como Fleur, que competiu no Torneio Tribruxo em “Harry Potter e o Cálice de Fogo”. Outros recém-casados presentes ao casamento são o lobisomem Lupin e a esposa, Tonks, interpretados por David Thewlis e Natalia Tena, respectivamente.
Também está presente, claro, Gina Weasley, cujo relacionamento com Harry se transformou em um romance assumido. Bonnie Wright, que reprisa o papel, diz que, apesar de suas preocupações, “Gina tem uma compreensão do que Harry precisa fazer, e está disposta a deixá-lo ir e esperar que ele retorne para ela”.
A ocasião apresenta também alguns novos personagens, entre eles Xenofílio Lovegood, o pai de Luna e editor de O Pasquim, “uma publicação clandestina que corajosamente apoia Harry Potter e sua causa”, comenta Rhys Ifans, o ator escalado para o papel. “Ele perdeu a esposa, por isso é um pai solteiro que adora a filha. Os dois habitam o mesmo mundo bizarro e criativo”.
David Heyman elogia: “Evanna Lynch deu à personagem Luna uma abordagem tão idiossincrática e original que precisávamos de alguém que refletisse essa excentricidade. Assim que o nome de Rhys foi mencionado, sabíamos que ele seria maravilhoso no papel”.
Antes que o casamento comece, porém, chega alguém que não tinha sido convidado: o Ministro da Magia, Rufo Scrimgeour, que vemos pela primeira vez proferindo um discurso mobilizador ao mundo da Magia no começo do filme.
Escalado no papel de Scrimgeour, Bill Nighy brinca que sua inclusão no elenco estava muito atrasada. “Por um tempo, achei que seria o único ator inglês de certa idade que não estava num filme de ‘Harry Potter’. Foi bom finalmente fazer parte disso, mas o fato de que David Yates estava dirigindo tornou o filme duplamente atraente. Ele é um dos diretores mais espertos e legais do momento, por isso estou sempre ansioso por trabalhar com ele”.
Yates estava igualmente feliz por receber Nighy no elenco. “Bill é um ator tão versátil, sempre quis que ele fizesse parte desse mundo. Quando o papel de Rufo Scrimgeour surgiu, pensei, ‘Aí está Bill!’ O modo como J. K. Rowling descreve o personagem, ele é como um soldado fora de forma que lembra um velho leão, e eu sabia que Bill podia interpretar isso muito bem”.
“Rufo foi um Auror e, portanto, um soldado, e agora ele precisa se adaptar ao mundo da política”, diz Nighy.
Scrimgeour não está lá para o casamento. Ele vai entregar presentes de um tipo diferente: os legados finais de Alvo Dumbledore a Harry Potter e, talvez, mais surpreendentemente, Rony Weasley e Hermione Granger.
Emma Watson observa: “É de certa forma intrigante, porque Rony e Hermione nunca tiveram uma relação próxima com Dumbledore, a não ser quando Harry, Hermione e Rony estavam em apuros. Ele deixou para Hermione um livro infantil, ‘Os Contos de Beedle, O Bardo’, aparentemente porque ele sabe que ela gosta de livros”.
“Para Rony, Dumbledore deixa uma coisa chamada Desiluminador”, revela Rupert Grint. “Você clica nele e ele suga toda a luz do cômodo, e quando clica nele de novo, ele envia a luz de volta. Ron acha que é legal, mas nenhum deles tem certeza do que pensar sobre isso”.
Finalmente, para Harry, Dumbledore deixa o Pomo de Ouro alado que ele pegou em sua primeira partida de Quadribol em Hogwarts. Mas isso não é tudo. O professor Dumbledore também deixa em herança para Harry a espada de Godrico Grifinória. Infelizmente, a espada está perdida e parece que o Ministro estaria relutante em entregar o valioso artefato para Harry mesmo que ele a tivesse em mãos.
“Quando eles recebem a herança, todos os três acreditam que há algum significado por trás delas… algo que será de grande importância”, observa Radcliffe. “Por enquanto, eles ficam com mais perguntas do que respostas, o que é particularmente frustrante para Harry”.
Antes que Harry obtenha as respostas para suas muitas perguntas, chega a surpreendente notícia: “O Ministério caiu… Eles estão vindo.” A referência a eles não requer esclarecimentos. Em segundos, os Comensais da Morte começam a atacar e Harry, Rony e Hermione mal conseguem escapar.
O trio se teletransporta para a Shaftsbury Avenue, no coração do agitado Picadilly Circus de Londres e do bairro de teatros West End. A cena foi filmada no local real, o qual Emma Watson classifica como “surreal”. Ela relata: “Foi incrível ver o tráfego parado em uma das ruas mais movimentadas de uma das maiores cidades do mundo”.
Embora a filmagem tenha ocorrido antes do amanhecer, milhares de fãs apareceram para dar uma olhadinha no elenco. “Os fãs foram ótimos”, afirma Heyman. “Eles não se intrometeram e entraram realmente no espírito. Filmar em um local tão agitado teve seus desafios, mas nos divertimos muito”.
Yates concorda: “Foi na verdade muito comovente que houvesse tantas pessoas de pé por tanto tempo àquela hora da noite. Foi uma coisa maravilhosa”.
Em referência ao recente trabalho de Radcliffe no teatro, cinéfilos puderão notar um pôster “Equus” na parede do café onde os três param brevemente para se reagrupar. Mas seu alívio é curto, pois eles quase caem em uma emboscada.
O clima da filmagem é de perseguição constante. O compositor Alexandre Desplat, que criou sua primeira trilha de Harry Potter para “Relíquias da Morte – Parte 1”, notou o tema e o procurou reforçar somoramente. “Nossos heróis estão em constante movimento, por isso queria que a música seguisse a trilha de sua jornada e encontrasse o equilíbrio certo entre ação, suspense e emoção”.
Quando, depois de muitas aventuras e mais correrias, Harry finalmente encontra a terceira Horcrux, sua própria presença tem consequências inesperadas para os três melhores amigos, que compartilhavam laços inquebráveis… até agora.
Por definição, uma Horcrux é um pedaço da alma maligna de Voldemort, por isso sua entidade explora e intensifica as emoções negativas de todos perto dele. Radcliffe revela: “Se alguém o estiver usando, o efeito é que a pessoa se torna furiosa, paranoica e terrível, falando de forma geral”.
Tornando as coisas ainda piores, quando os jovens bruxos tentam destruí-la, a Horcrux não é afetada por seus encantos. “Eles descobrem que ela pode ser destruída pela espada de Grifinória que, é claro, está desaparecida”, adianta Radcliffe.
Rony parece especialmente suscetível a seus poderes. Grint relata: “É um momento muito tenso, porque eles estão sozinhos e Rony está preocupado com sua família e frustrado com o pouco progresso que eles fizeram. Mas o medalhão aumenta tudo o que ele está sentindo. E por causa disso, ele também coloca na cabeça que poderia haver algo acontecendo entre Harry e Hermione. Isso leva a uma discussão intensa entre Rony e Harry onde os dois explodem de raiva”.
David Barron afirma: “Eles nunca estiveram sozinhos da forma que estão na Parte 1 de ‘Relíquias da Morte’. Sempre contaram com a proteção de alguém, em algum lugar, não importando quão tênue fosse. Quando eles estão separados de todos e em perigo mortal o tempo inteiro, o triunvirato de Harry, Rony e Hermione é dividido com mais facilidade, especialmente quando estão sendo influenciados pelos poderes malignos da Horcrux”.
Completamente isolados em um clarão na floresta, eles pelo menos têm abrigo, graças à engenhosidade de Hermione. Antes de deixar o Burrow, ela havia usado um encanto de extensão para transformar sua pequena sacola de contas em um proverbial abismo sem fundo, contendo todas as necessidades, de roupas novas a livros, um rádio e mesmo uma barraca de acampamento. “Toda mulher ia adorar a sacola de Hermione porque você carregaria tudo de que pode precisar ou desejar e ela não pesaria nada”, diz Watson, com uma risada. “Ela é muito esperta, essa menina; sempre preparada, sempre um passo à frente”.
Entretanto, Hermione não está preparada para a briga que surge entre Rony e Harry. Quando Ron acaba deixando-os, o coração dela está partido. Watson descreve: “Ela está desolada e se sente abandonada. O ciúme e as acusações também traíram a confiança dela”.
Sozinhos, Harry e Hermione compartilham um momento, que segundo Yates, “resume seu relacionamento”. Diz Yates: “Steve (Kloves) e eu queríamos fazer uma cena que mostrasse como eles são próximos, mas sem palavras. Hermione está chateada porque Rony foi embora. Há música no rádio, por isso Harry tenta aliviar parte da dor dela fazendo algo que jovens comuns fazem: dançar. É o que você faria por um amigo, e Dan e Emma tornaram isso muito terno e comovente”.
Rony, entretanto, voltará em momento decisivo, para salvar a vida de Harry de um túmulo frio e cheio d’água. “É realmente o grande momento de Rony”, diz Grint. “Ele se apresenta e se torna o herói acreditando no que está em seu coração e não no que está diante de seus olhos”.
A correria não pára e, depois de descobrir o que são as Relíquias da Morte do título do filme, Harry, Rony e Hermione devem fugir novamente de perseguidores implacáveis para salvar suas vidas. A mais emocionante perseguição a pé foi filmada na Swinley Forest em Berkshire, onde David Yates admite que subestimou as capacidades atléticas de seu jovem elenco. O diretor conta: “Achei que precisaria fazer uma tomada só para deixá-los sentir o terreno acidentado antes de dizer a eles que precisavam correr mais rápido. Então eu gritei ‘Ação’, e eles sumiram!”
Filmar a cena também gerou uma competição saudável entre Daniel, Emma e Rupert, que a consideraram como uma corrida em vez de uma perseguição. “Todos esses anos de treinamento com a equipe de dublês realmente compensaram. Não havia dúvida em minha mente de que eu conseguiria batê-los… não que eu seja competitivo ou algo assim”, despista Radcliffe.
Ruppert Grint completa: “Foi bastante intenso, especialmente porque precisamos desviar de árvores e saltar por cima de toras. Mas foi muito divertido”.
Watson confirma: “Foi muito engraçado, principalmente quando David nos chamou num canto e disse, ‘Quero lhes lembrar que o importante nessa cena não é qual de vocês corre mais rápido’. Mas, com certeza, eu competi com os rapazes de igual para igual”, ela diz com um sorriso.
Mas nenhum deles foi rápido o suficiente para escapar do destino. E ele está na Mansão dos Malfoy, onde a única coisa entre Harry e a morte certa é seu arquiinimigo de Hogwarts, Draco, que tem diante de si uma decisão que pode mudar sua vida: identificar seu ex-colega de turma, que está disfarçado pela magia, e assim restaurar a posição da família com o Lorde das Trevas, ou restaurar sua própria alma.
Radcliffe observa: “O que é ótimo nessa história é a complexidade do bem contra o mal. Não há sempre uma divisão clara entre os personagens. Mesmo Harry está obviamente ligado a Voldemort, por isso há pessoas que sempre vimos como más que têm bondade dentro delas e boas pessoas que cometem falhas graves”.
A salvação vem da origem mais improvável… mas somente com grande sacrifício. E este momento de impacto vai deixar os fãs, que não leram o livro, desesperados pela Parte 2, que tem estreia marcada para 25 de julho de 2011.
A aventura continua.






























Linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...